Polícia fecha rinhas de galo no sertão de Sergipe
8 de novembro de 2019
Sergipe produz cerâmica às margens do Velho Chico
9 de novembro de 2019
Exibir tudo

Projeto Adapte Mais completa três anos de cuidados com autistas

Segundo a professora Núbia Josânia, cada paciente é acompanhado de forma criteriosa

Iniciado com apenas nove acadêmicos e hoje contabilizando a participação de 30 voluntários, o Projeto Adapte Mais acontece durante as tardes das quartas-feiras nas quadras cobertas do Complexo Desportivo da Unit. Nesse dia crianças, adolescentes e adultos com autismo e Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), vivenciam experiências de socialização sempre acompanhados por um monitor e dois alunos de Educação Física.

“Somos criteriosos com o desenvolvimento das ações voltadas para atender a essas pessoas que por algum motivo necessitam de cuidados especiais”, explica a professora Núbia Lira. “Cada paciente é acompanhado de forma criteriosa através de registros de avaliação e isso nos permite não só radiografar sua evolução e a interação social, como entender sobre a melhor metodologia a ser aplicada. Cada caso é bem específico”, complementa a docente.

Ao acompanharem seus filhos durante os encontros semanais as mães são convidadas a participar de atividades que envolvem dinâmicas de grupo e trocas de experiências.

Ana Paula Andrade Góes do Nascimento é mãe de três filhos. Dois deles diagnosticados com Autismo, motivo pelo qual ela passou a frequentar a Universidade Tiradentes desde o segundo semestre de 2016, período em que a professora Núbia Josânia colocou em prática o projeto Adapte Mais, uma das mais importantes iniciativas extensionistas do curso de Educação Física.

Acostumada às atividades de integrativas, Ana Paula que é mãe de Arthur Vinícius, sete anos e Pedro Michael, 9 anos (ambos autistas), revela que sem o Projeto Adapte Mais não teria a mínima condição de perceber que suas duas crianças apresentam um quadro evolutivo satisfatório.

“Eles gostam das atividades físicas desenvolvidas e quando não vem ficam tristes e estressados”, revela a mãe que insiste em destacar o cuidado e a atenção de todos os que se dedicam ao projeto.

Por Nivaldo Menezes (Ascom/Unit)

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *