Festival de promessas
30 de agosto de 2016
Livro publicado na Edise recebe Prêmio Brasil de Economia
30 de agosto de 2016
Exibir tudo

Cybele em todos os tons

“Humano, demasiado humano”, é o tema da exposição Arte Fantástica, da Artista Plástica sergipana Cybele Ramalho, que acontece no próximo dia 3, às 19h, no Centro de Arte e Cultura J. Inácio, localizado na Avenida Santos Dumont, 3661, Coroa do Meio, em Aracaju/SE. A mostra se estenderá até 30 de setembro. Com 54 obras que passeiam pelo surrealismo, se apresentando de fato como arte fantástica, a artista retrata temas que tratam dos sentimentos humanos e toda uma gama de comportamentos que estes sentimentos exteriorizam.

A vasta obra de Cybele Ramalho é composta de temas psicossociais, arquetípicos, mitos, imagens do inconsciente, alquimia, dramas individuais e grupais, captados, projetados e revelados sensivelmente no seu trabalho, onde arte e psicologia andam de mãos dadas. As principais fontes de inspiração da artista são as narrativas oníricas, sendo sua obra especialmente permeada pelos conteúdos da sua prática profissional como psicoterapeuta, o que aproxima cada vez mais estas duas linguagens.

Cybele Ramalho, inaugura o cenário das artes plásticas, com uma linguagem artística que pouco se apresenta em nosso Estado, a arte fantástica.  Ao longo deste século, a fantasia tem passado, nas artes plásticas, do externo ao interno. A visão fantástica do externo, do mundo, da natureza, do universo, tem cedido lugar a uma contemplação introspectiva da pessoa, do indivíduo, do próprio corpo. Ao humano, em seu território inconsciente dos sonhos, sentimentos e desejos.

Mas Cybele não virou artista de uma hora para outra. Como toda artista verdadeira, já nasceu com sensibilidade e arte nas mãos, vindo a apresentá-la para apreciação de curiosos, simpatizantes e amantes da arte, na década de 70, período em que expôs no Salão Global de Pernambuco, nos festivais de arte de São Cristóvão, em João Pessoa e Campina Grande. Passou longo período trabalhando como psicóloga e professora, sem intenção de mostrar suas obras.

Texto e foto: Ascom/Secult

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *