Polícia Federal apreende 86 quilos de maconha em Sergipe
31 de março de 2017
Contas de energia têm bandeira vermelha
31 de março de 2017
Exibir tudo

Exportações sergipanas crescem 8,5% no 1º bimestre

O setor de calçados representou 5,8% do total de itens comercializados externamente

As exportações nordestinas totalizaram US$ 2,28 bilhões no acumulado de janeiro-fevereiro deste ano, 30,9% mais que no mesmo período de 2016. Por outro lado, as importações somaram US$ 3,37 bilhões, com aumento de 60,0% no intervalo comparativo.

A análise é do Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), vinculado ao Banco do Nordeste, a partir de dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

Sergipe

O comércio de suco de laranja lidera as exportações em Sergipe, com 31,1% de participação na balança comercial dos dois primeiros meses do ano. O açúcar é o segundo produto mais exportado (22,5%), seguido pelo setor de calçados, que representa 5,8% do total de itens comercializados externamente no período.

Com relação à pauta de importações, o principal produto comprado no estado é o coque de petróleo (32,7%). Este derivado possui alto teor de carbono, destinado a diversos setores industriais. Em seguida, vem o sulfato de amônio (6,2%), empregado como fertilizante, e novamente itens do setor de calçados, que respondem por 5,2% dos produtos importados no início de 2017.

Na variação percentual regional, Sergipe obteve o sexto melhor desempenho, com 8,5% de crescimento das exportações no primeiro bimestre. A comparação é feita com o mesmo período do ano anterior. Nesse ponto de análise, o estado ficou à frente dos estados da Bahia, Piauí e Paraíba.

Nordeste

No contexto nordestino, as quatro maiores participações na balança comercial pertencem aos estados da Bahia, Pernambuco, Maranhão e Ceará, seja para produtos exportados ou importados. Em termos de crescimento nas exportações para o bimestre, Pernambuco obteve o melhor índice (171,8%), seguido pelos estados do Ceará e Rio Grande do Norte.

Regionalmente, as exportações de produtos semimanufaturados cresceram 16,4% em janeiro e fevereiro de 2017, frente ao mesmo período do ano anterior. As vendas de produtos básicos recuaram 17,4% frente ao primeiro bimestre de 2016, com destaque para a redução de 92% do valor das exportações de algodão, motivada pela desvalorização do dólar e pela perda de competitividade do produto brasileiro no mercado internacional, que o redirecionou para o mercado interno.

A exportação de produtos manufaturados apresentou crescimento de 64,7%, devido, principalmente, ao aumento das exportações de combustíveis e automóveis. Os resultados levam à observação do mercado pernambucano, onde a Refinaria Abreu e Lima (Rnest), ainda não concluída, já é a maior exportadora do Estado, seguida da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), ambas localizadas no Complexo de Suape. Ao comparar o primeiro bimestre de 2017 e 2016, o incremento nas exportações em Pernambuco foi de 171,8%.

Quanto aos países de destino das exportações nordestinas, Estados Unidos (17,0%), Argentina (11,4%), China (9,0%), Holanda (6,3%) e Canadá (4,9%) foram responsáveis por 48,6% do total exportado. Vale registrar que, enquanto as exportações para os Estados Unidos, Argentina e Canadá cresceram 45,1%, 36,7% e 58,8%, respectivamente, as vendas para a China e Holanda recuaram respectivos 25,3% e 17,5%, no período em análise.

Fonte: Ascom/NBN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *