Morre em Sergipe 1º detento vítima de Covid-19
14 de maio de 2020
A noite em que Magnólia “fechou” no Iate
14 de maio de 2020
Exibir tudo

Empresários recorrem às linhas de crédito do Banese

O Banese disponibilizou linhas de crédito no montante de R$ 500 milhões

Empresários sergipanos têm recorrido às linhas de crédito disponibilizadas pelo Banco do Estado de Sergipe (Banese), lançadas no mercado por orientação do governo Belivaldo Chagas (PSD) visando colaborar com a economia nesta crise provocada pela pandemia da Covid-19. Os irmãos Fábio e Flávio Santos, fundadores da Embalacenter Distribuidora, que atua em 70 municípios e gera mais de 150 empregos diretos, estão entre os beneficiados pelas linhas de crédito oferecidas pelo banco.

Totalizando R$ 500 milhões em investimentos, as linhas de crédito emergenciais foram anunciadas no início do mês de abril, graças a uma ação integrada entre o Governo do Estado e o Banese, objetivando atender as demandas das micro, pequenas, médias e grandes empresas. O benefício também se estende a quem atua na informalidade. O empresário Fábio Santos disse ter procurado o empréstimo para fortalecer o caixa da Embalacenter Distribuidora nesse momento de pandemia, com o intuito de captar recursos para capital de giro. “O nosso desejo é continuar gerando emprego, renda e desenvolvimento econômico e social nas regiões que atuamos”, conta.

 Banese colocou à disposição da setor empresarial as linhas de crédito PróGiro Emergencial (R$ 250 milhões para capital de giro para pessoa jurídica e nove meses de carência, podendo chegar a 36 meses de amortização, com taxas a partir de 0,90% ao mês); Desenvolve Banese (R$ 200 milhões para capital de giro para pessoa jurídica; 12 meses de carência e 72 meses de amortização); e Fundo de Aval (R$ 50 milhões, especialmente para pequeno empreendedor informal e autônomos; carência de 12 meses e prazo máximo de amortização de 60 meses. Início em 13 de abril).

Gerência emergencial

Também foi disponibilizada a Carência Emergencial Banese, que estabelece a prorrogação de vencimentos das prestações mensais, com juros distribuídos no restante do contrato. O público alvo é pessoa jurídica e profissional liberal com contratos preexistentes, vigentes e adimplentes. A carência é de dois a seis meses.

Para adquirir uma das linhas de crédito, o empresário sergipano precisa entrar em contato com o gerente de sua conta ou fazer agendamento pelo site para obter informações e detalhes de cada linha de crédito oferecida pelo banco. No caso de fundo de aval, o trâmite é todo virtual, através do FBanking no site do Banese.

Há quatro anos, a empresária Anne Danielle Ferreira Costa administra a Edmundo Casa e Construção, que já está no mercado sergipano há 36 anos. Segundo Anne, o crédito trouxe maior conforto para o negócio neste momento de crise. “O empréstimo possibilitou pagar as contas e os funcionários e garantir o estoque básico. Além disso, o Banese tem ajudado com outras facilidades como a redução da taxa do parcelamento e o cheque especial com uma taxa bem baixa. Isso vem fazendo uma grande diferença. Fiz minha conta no início do ano e fui muito bem recebida, me deram várias opções. Tenho indicado para todos”, afirma.

Soube pela televisão

Já o microempreendedor José Carlos dos Reis, proprietário do Quiosque do Carlinho, que iniciou suas atividades há um ano, conta que ficou sabendo pela televisão sobre a oportunidade de empréstimo e não tardou a entrar em contato com o Banese. “É uma ajuda boa. Fechamos 2019 e entramos 2020 devendo, então vamos usar o dinheiro para pagar o que ficou pendente e reativar o estoque, ampliar. Mesmo fechado, temos que pagar nossos funcionários, ajudar a quem ajuda a gente. Consegui um bom tempo de carência também para pagar a primeira parcela. É interessante porque outros bancos dão 30, 40, 60 dias, mas em uma situação dessas que estamos vivendo acaba sendo pouco e fica pesado para a gente”, explica José Carlos.

Outro exemplo de como o crédito do Banese está sendo bem recebido vem da empresa Inspiração Gás e Engenharia, especializada em Instalação de Gás encanado para empreendimentos comerciais e residenciais. A sócia Ivanline Araújo aponta que a medida veio na hora certa. “Solicitamos uma linha de crédito e conseguimos a tranquilidade que buscávamos para seguir com os novos projetos e garantir que todos os funcionários recebessem em dia. Saber que podemos contar com o Banese no momento que mais precisamos é de extrema importância para o desenvolvimento da empresa, para geração e manutenção dos empregos e para o desenvolvimento do Estado”, relata.

Fonte e foto: Secom/GS

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *