Notícias do Serra-Velha
23 de janeiro de 2020
Grupos vulneráveis fazem mais de 1,4 mil queixas
23 de janeiro de 2020
Exibir tudo

Carne mais barata empurra inflação pra baixo

As maiores variações ficaram com alimentação e bebidas

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), a prévia da inflação oficial, ficou em 0,71% em janeiro, depois de registrar 1,05% em dezembro de 2019, divulgou hoje (23) o IBGE. Esse é o maior resultado para um mês de janeiro desde 2016, quando o índice foi de 0,92%. Em 12 meses, o indicador acumula alta de 4,34%, acima dos 3,91% registrados nos 12 meses anteriores. Em janeiro de 2019, a taxa foi de 0,30%.

A desaceleração foi puxada pelas carnes, que passaram de uma alta de 17,71% em dezembro para 4,83% em janeiro, mas exerceram novamente a maior contribuição individual no índice, com 0,15 ponto percentual (p.p.). Os preços das frutas (3,98%) e do frango inteiro (4,96%), porém, aceleraram na comparação com dezembro. Já a cebola caiu 5,43%.

Sete altas

Entre os nove grupos de produtos e serviços pesquisados, sete apresentaram alta na passagem de dezembro para janeiro. A maior variação (1,83%) e o maior impacto entre os grupos (0,45 p.p.) ficaram com alimentação e bebidas. Em seguida, o grupo transportes (0,92%), impactado pela gasolina, que continuou subindo em janeiro (2,64%) e contribuiu com o segundo maior impacto individual no índice (0,11 p.p). Todas as regiões pesquisadas registraram alta no combustível.

A maior deflação foi registrada no grupo habitação (-0,14%), influenciado pela energia elétrica (-2,11%), que apresentou o maior impacto individual negativo (-0,08 p.p.) no indicador. A queda nas contas de luz decorre da manutenção da bandeira tarifária amarela em janeiro, que adiciona nas faturas R$ 1,34 a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Também em habitação, o gás encanado e o botijão de gás variaram 0,49% e 0,21%, respectivamente.

Os demais grupos ficaram entre a queda de 0,01% em artigos de residência e a alta de 0,47% em despesas pessoais.

O IPCA-15 é calculado com base em famílias com rendimentos de 1 a 40 salários e que vivem nas principais regiões metropolitanas do país, além de Brasília e Goiânia. Em janeiro, todas as regiões pesquisadas apresentaram alta na inflação. O maior resultado foi visto em Belém (1,13%), influenciado pelo frango. Já o menor índice foi registrado em Brasília (0,29%), por conta da queda nos preços das passagens aéreas.

Fonte: IBGE

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *