FIFA em Aracaju
22 de setembro de 2015
Leia o resumo dos jornais desta terça
22 de setembro de 2015
Exibir tudo

Servidores estaduais em greve

Grevistas estão concentrados em frente ao Hospital de Urgência de Sergipe

Servidores estaduais ligados a 20 sindicatos que integram o Movimento Intersindical dos Trabalhadores do Serviço Público estão em greve desde as primeiras horas desta terça-feira. A paralisação, que vai prosseguir até quinta, visa chamar o governo de Sergipe para um diálogo. É que acabou o prazo até 11 de setembro dado pelos sindicatos para uma posição do Executivo sobre as reivindicações dos servidores. Caso a o movimento paredista não surta o efeito desejado, haverá a possibilidade de greve por tempo indeterminado.

“Nós fizemos algumas paralisações e mobilizações pedindo ao governo do Estado para dialogar com as categorias e isso não foi feito. Demos um prazo até o dia 11 de setembro e chegou a data e não houve nenhuma conversa. Então, tivemos que programar essa greve de três dias para ver se agora sim teremos uma abertura na negociação com o governador do Estado”, explicou Augusto Couto, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde do Estado de Sergipe (Sintasa).

Às 7 horas de hoje, aconteceu uma mobilização na frente da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz). Em seguida, os grevistas fizeram uma caminhada até o Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE), onde permanecem concentrados até às 12 horas. Amanhã, cada categoria fará suas mobilizações específicas e lutará pelas suas pautas diferenciadas. No caso do Sintasa, a concentração será das 7h às 10h, no Hospital Regional José Franco Sobrinho em Nossa Senhora do Socorro. Por fim, no dia 24 de setembro, às 14 horas, todas as classes estarão reunidas no Parque da Sementeira, onde farão uma caminhada com direção ao Palácio dos Despachos.

Os 20 sindicatos mobilizados são Sintasa, Seese, Sindifisco, Sintrase, Sinpol, Adepol, Sindimed, Sinter/SE, Sindinutrise, Sindijor, Sinditic, Sterts, Sindasse, Sindisan, Sinpsi, Sintradispense, Senge, Sindiconam, Sintese, e Sindjus, além das centrais CTB, NCS e CUT.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *