Leia o resumo dos jornais desta quarta
3 de fevereiro de 2016
Época dos blefes
3 de fevereiro de 2016
Exibir tudo

Come-se bem nos mercados centrais de Aracaju

O sarapatel se destaca entre os pratos servidos nos restaurantes dos mercados

A rica culinária nordestina é, sem sobra de dúvida, o ponto forte dos restaurantes localizados nos mercados centrais de Aracaju batizados de Antônio Franco, Thales Ferraz e Albano Franco. Quem visita a capital sergipana, ou mesmo quem reside nela, sempre vai ao local para se deliciar com essas iguarias. No cardápio as opções são fartas e variadas, saltam aos olhos, matam a fome e fazem muito bem para o bolso.

Pirão de capão, churrasco, sarapatel de porco e de carneiro, galinha se capoeira e carne do sol com macaxeira estão na lista dos pratos mais vendidos nos mercados. Mas há também aqueles mais exóticos, como o pirão de jabá, que pode ser encontrado no Bar e Restaurante Recanto do Agresteiro, de propriedade do forrozeiro sergipano Zé Américo de Campo do Brito. A iguaria se diferencia dos pirões comuns porque não leva farinha, é feito apenas com arroz, batata inglesa, charque e temperos picantes.

Outra refeição bastante pedida tanto por aracajuanos quanto pelos turistas é o arribação. “É um prato feito com feijão de corda cozido e refogado com arroz. O arribação é uma iguaria alagoana que eu trouxe para Sergipe há 27 anos”, afirma Zé Américo. Ele conta também que a rabada light, cujos ingredientes são antes fervidos com limão, alecrim, vinagre e sal, é outra guloseima bastante apreciada.

“Nos mercados de Aracaju tem tudo o que encontramos em outros lugares do Brasil. Viajei o país inteiro tocando e nunca encontrei um mercado que ofereça uma variedade de produtos como o daqui”, revela o artista, que comercializa pratos para o almoço que custam entre R$ 10 e R$ 20 e servem duas pessoas.

Café da manhã

Para quem está em busca de uma refeição reforçada para começar o dia, uma boa opção é o café da manhã servido em diversos bares e restaurantes localizados nos mercados centrais da capital. Entre as opções oferecidas, as comidas regionais marcam presença:

inhame, macaxeira, cuscuz, carne de boi cozida, beiju de tapioca, carne do sol, carneiro cozido, galinha de capoeira, peixe assado e queijo coalho são figuras carimbadas na primeira refeição do sergipano, principalmente depois de uma noite de festa. Entre os sucos, os campeões de pedidos são os preparados com frutas tropicais, como mangaba, caju, jenipapo, maracujá e manga.

Da fazenda

A lembrança da casa da vovó ou da fazenda logo vem à mente para quem passeia pela área dos mercados centrais aracajuanos. Por todo lado, se vê uma grande variedade de alimentos tipicamente nordestinos, como castanha, amendoim, licores, doces, massas de puba e tapioca, beiju, pé-de-moleque, saroio e queijos.

No Laticínios Irmãos Santos, comércio que ocupa um dos boxes do mercado Thales Ferraz, são comercializados diversos produtos ‘da fazenda’, como queijo coalho com diversos temperos, como orégano, cebola desidratada, tomate seco e pimenta calabresa. Além disso, vende-se no local castanhas doces e salgadas, manteiga, requeijão, biscoitos caseiros, compotas de caju e banana.

“O turista gosta muito de todos os nossos produtos, mas a castanha, que vem de Itabaiana, é, sem dúvida, a iguaria mais procurada. Mas o queijo coalho vindo de Glória também é bastante vendido”, ressalta Erílio Cruz, proprietário do comércio. Há 20 anos no mercado, ele conta que o melhor período para os comerciantes dos mercados centrais é o final do ano. “Os meses de dezembro e janeiro, quando muitas pessoas estão de férias, são sempre muito bons para a gente, porque o fluxo de turistas é ainda mais intenso”, destaca ele.

Texto: Najara Lima/Ascom da Prefeitura (Crédito/Portal maisvidamenoslixo.com.br)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *